Art SALE

RAFAEL PORTO ZANASI

SP

Rafael Porto Zanasi, nasceu na cidade de São Paulo, tem 31 anos é  artista plástico autodidata. A arte para Rafael sempre foi uma necessidade de comunicação, expor seus sentimentos e emoções.
O artista enxerga na adversidade do cotidiano a beleza das cores e formas. Assim com sua arte, pode extravasar seus sentimentos e ideias. Optou em mesclar diversas tendências, incluindo novidades a cada projeto.
Ao pintar, possui muita espontaneidade e não se preocupa com o resultado final. Rafael tem cuidado em empregar cada elemento, cor, movimento e textura, da forma mais harmoniosa possível. Uma infinidade de cores e texturas compõem a maioria de seus desenhos e telas.

 

 

1/1

CECÍLIA MACEDO

SP

Formada na FEBASP - Faculdade de Belas Artes de São Paulo, ampliou seus conhecimentos. Pintora, escultora, designer de interiores, professora, designer de objetos e arte corporativa. Pesquisadora de várias técnicas e utiliza diversos materiais. Participou de algumas exposições nacionais e internacionais;  em São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Londres e Paris. Onde ganhou prêmios em pintura, gravura, escultura, joalheria e desenho de joias. Inspira-se nos sentimentos, nos movimentos e na riqueza da natureza e dos seres. Traduzindo em cores e formas, pensamentos e aconteceres.

 

1/1

SILVIA BORINI

SP

No início da fase escolar, a lembrança era de muito prazer em desenhar.Paralelamente iniciou o estudo de piano com apenas cinco anos. Aos doze anos vieram as primeiras aulas de óleo sobre tela, sob a supervisão de Dona Midori, artista da sua cidade natal, Osvaldo Cruz, SP.  Executava cópias de paisagens e figurativos. Exercitou sozinha a descoberta de novos materiais, e deu-se inicio às primeiras criações com olhar geométrico e cubista. Continuou o estudo de piano, e passou a estudar violão também. Aos quatorze anos passou a fazer parte do coral da Igreja, onde tocada e coordenava as atividades e apresentações em audições, missas, eventos paroquiais e casamentos, sempre trazendo um idealismo inovador e contemporâneo, desafiando o tradicional da igreja. Nos tempos de faculdade, onde cursou a disciplina de Educação Artística na PUCC - Campinas, integrou a equipe do Mestre Bernardo Caro, frequentando sua oficina de forma extra curricular, iniciando a sua participação em salões de Arte. A sua participação numa instalação na Bienal de São Paulo de 1974 compondo a equipe de Bernardo Caro, deixou uma experiência marcante e enriquecedora. Estudando plástica, estética e desenho artístico, passou a ser assistente de arte em uma agência de Publicidade na cidade de Campinas. Mesmo com todas atividades e ocupações que a arte lhe exigia, em paralelo, dava profundidade e seguimento aos estudos de música, na tradicional escola Carlos Gomes, na qual mergulhou em um vasto mundo de arranjos, composições, história da música, análise sinfônica, teatralização, representações e apresentações, experiências estas que até hoje são determinantes no seu estilo. Com a conclusão em Educação artística, na PUCC, especializou-se em Desenho.

Com esta formação dedicou-se ao Magistério Público, lecionando Educação Artística e Desenho para crianças e adolescentes.

Nos anos 80, com sua vinda a São Paulo, iniciou um trabalho em seu próprio espaço – “Ateliê Silvia Borini”, onde administrava aulas de pintura e desenho para crianças, adolescentes e adultos, além de produzir seus próprios trabalhos, que resultaram em participações em Salões de Arte, Galerias e eventos. Em uma de suas experiências como artista, vivenciou os recursos da aquarela em seda, técnica pouco explorada e de resultado surpreendente, com potencial para suprir um mercado que crescia e exigia exclusividade.  Dedicou-se a um projeto de desenhos têxteis para a estamparia da indústria da moda feminina. A aceitação desta arte própria, única, individual, ganhou uma dimensão no mercado que exigiu da oficina Silvia Borini a ampliação de sua execução em estamparia artesanal. Foram vinte anos criando e produzindo para Moda Praia, acessórios de festas, assinados para o mercado nacional e internacional, tendo inclusive integrado grupos para exportação, com apoio da APEX e Sebrae. Encerrou suas atividades em estamparia e produções têxteis, com a ânsia de retomar o seu trabalho original; pintura em telas.

 

1/1

ADHEMAR DURO

SP

Trata com carinho os longínquos paraísos da Terra. Em suas fotografias, resgata, com muitas horas de trabalho e noites em claro, a magnitude da beleza terrestre que se encontra distante dos holofotes da cidade grande.
O portfólio do artista inclui, por exemplo, deslumbrantes paisagens naturais da Patagônia, assim como hipnotizantes estrelas que povoam o céu de um dos desertos mais áridos do mundo, o Atacama, no Chile. Amante de viagens e especialista na astrofotografia, Adhemar Duro foi selecionado, em 2014, para ser embaixador de uma das mais proeminentes instituições de pesquisa astronômica do mundo, o Observatório Europeu do Sul.

 

1/1

KARLLOS MOTA 

ES

Mais um arquiteto que resolveu se dedicar às artes, Carl os Alberto Mota nasceu em Cachoeiro do Itapemirim-ES, vive e trabalha em Serra-ES, Brasil, usando o nome artístico Karllos Mota. Formado em arquitetura pela Universidade Federal do Espírito Santo em 1990, explora o jogo formal e cromático em suas composições. Seu  trabalho recebe a influência de vários artistas, como Henri Matisse no plano internacional, e de brasileiros que admira, como Tarsila do Amaral, Alfredo Volpi e Tomie Ohtake.

 

1/1

LILIAN SILES 

RJ

Arquiteta por formação, Lilian Siles encontrou nas artes plásticas uma forma de confrontar e extravasar suas emoções e sentimentos. Para ela não há limitações: cada busca escultórica é um encontro harmonioso de paz e sublimação que traduz energia e emoção; é tão intenso o seu revelar que funde alma e êxtase, numa mistura mágica que extravasa o imaginário. Faz-se a junção alma e corpo, cria-se a forma, agrega-se a emoção, cria-se o sentido. Ao observador nada parece ser estático, como talvez possa ensejar a alma do artista; o encontro do resultante na sua forma etérea revela ao observador a sua própria relevância. Lilian trabalha sua moldagens com diversos materiais, tais como bronze, resina com pó de mármore branco, resina com granito, resina das cores diversas, aço inox e aplicações com pedras semipreciosas. Eclética por essência, sai do trabalho da moldagem e lança-se ao encontro das tintas e pincéis. Sua arte pictória é forte, onde transfere técnica, por formação acadêmica da sua área, já que arquitetura é um campo abrange diversas disciplinas - arte, história, tecnologia, construção - reunidos em torno de um objetivo: o projeto em que seu trabalho vai encontrar novamente a junção da emoção e energia, onde extravasa todo o seu foco, com vigor e volume, ora aplicado às formações geométricas, às vezes simétricas, ora na construção de formas adimensionais na sua pintura diversificada, densa, vigorosa e energética. 

 

1/1

CHARLES CHAIM

MG

Chaim aos 16 anos muda-se para Uberlândia onde mais tarde cursou Jornalismo. Trabalhou como repórter e editor de vídeo, isso sem deixar de lado sua outra paixão, o teatro. Atuou em alguns grupos amadores como ator e cenógrafo. O trabalho com a cenografia impulsionou seu interesse pelas artes plásticas. Sua primeira exposição foi também um alerta sobre como utilizar melhor o nosso lixo. Trabalhando com colagem e pintura, usou embalagens de pizza para homenagear a sétima arte. 
As experimentações artísticas continuaram com outros materiais recicláveis. 
Nas mãos do artista, caixas de sapato se transformaram em oratórios religiosos e sacolas de papel em painéis coloridos. Há quinze anos começou a pintar telas.  Apaixonado pela cultura de massa, Chaim encontrou na pop art o caminho para se expressar. Os retratos, os preferidos do artista, lhe renderam importantes  exposições em Brasília, São Paulo, Paris e New York. Em 2010 recebeu o Prêmio Conteúdo da Revista Glass como melhor artista. Atualmente vive em São Paulo, SP.

 

1/1

ANA PAULA DE SOUZA

SP

Ana Paula de Souza é formada em odontologia pela UNICAMP, possui mestrado, doutorado e livre-docência em Biologia Buco-Dental também pela UNICAMP, sendo docente desta Universidade desde 2009. O talento para o desenho é um dom que a acompanha desde a infância. Apaixonada pela arte dos pintores impressionistas, pelos movimentos arquitetônicos e do design Belle Époque e Art Déco e pelo universo da alta costura, encontrou nas ilustrações fashionistas sua área dentro do desenho a ser explorada. Autodidata, desenha por pura paixão, sempre tendo a elegância, a feminilidade e a delicadeza como pano de fundo dos seus desenhos artísticos.

 

1/1

FABIO BENETTI

SP

Benetti é um artista brasileiro que utiliza a força de suas pinceladas para denunciar a própria inquietude com o universo das leis. Suas pinturas-colagens representam a materialidade do aqui e agora, a viscosidade das formas-pensamento, as variações de vibrações-cor inatas à tentativa de encontrar equilíbrio entre ordem e caos.
 
O artista segue um caminho autodidata por mais de 20 anos, paralelo à profissão de advogado. Em 2015, inspirado pelos questionamentos de suas buscas existenciais e espirituais, muitas delas amparadas pelo universo da física quântica, filosofia, alquimia, arquitetura e por rupturas pessoais, decide abandonar o Direito para se dedicar exclusivamente à prática de ateliê. Produz neste período de transição, uma série de quadros que são uma crítica às estruturas que a sociedade ocidental construiu para solucionar questões de ética e justiça, na revisão de valores que verdadeiramente promovam igualdade. Neste mergulho ou tentativa de fuga, Fábio transborda em uma experiência performática de dois anos, trabalhando como mestre de obras no interior de São Paulo, sem ser identificado como proprietário e autor da obra. Neste período, manipulou lama, lodo, lixo, areia, cimento, entulhos, cargas pesadas materiais e seu contra senso, as mais leves cargas emocionais. Desta catarse reaproxima-se da simplicidade e beleza do sentido da palavra, ‘humanidade’.

 

1/1